10 setembro, 2007

Livro : Hospital (Toby Litt)


Tal como Jonathan Lethem de quem falava há pouco tempo, este Toby Litt é outro dos autores que tento ler regularmente, dada a facilidade mais que demonstrada na mudança de género. Para não me repetir, não vou desatar a falar durante 30 linhas sobre os livros que escreveu antes, porque essa informação está toda disponível para os curiosos no site oficial do autor. Digo-vos apenas que é um moço Inglês, com a minha idade, e que demonstra uma enorme facilidade em mudar de género, o que parece ser uma condicionante para o meu favoritismo...

Este Hospital é uma grande sátira aos tempos modernos. Iniciando de uma forma muito próxima das tradicionais soaps hospitalares (pacientes em coma, jovens enfermeiras apaixonadas pelo cirurgião de topo, junkies a tentarem infiltrar o local para obtenção de drogas, etc.), muito cedo nos dá a perceber que não se passam coisas nada católicas lá dentro. Digamos que uma missa negra (com sacrificio de recém-nascido) protagonizada pelo chefe máximo do hospital é apenas uma das coisas estranhas que se está a passar no Hospital quando à meia-noite em ponto se dá uma quebra no abastecimento da corrente electrica. Quando o gerador de emergência arranca o Hospital está rodeado por um nevoeiro que o torna completamente isolado, e os pacientes começam a ficar curados milagrosamente.

Litt leva esta ideia de base meia ridicula até às últimas consequências, com um humor extremamente negro e com a capacidade de nos surpreender a cada página. Existe um número infindável de personagens, mas a estrutura narrativa do livro (que salta maniacamente de um lado para o outro a cada página), faz com que seja fácil de as assimilar. Deliciei-me verdadeiramente com este livro, mas confesso que não é propriamente fácil para almas mais sensíveis, dado o grafismo de algumas cenas de sexo e violência...

3 comentários:

CC disse...

E não há tradução dos livros do Toby Litt para línguas não bárbaras?

Ervilha Escriba disse...

Grafismo, sexo, violência?
Isso não se faz! Eu já li um livro este ano, não acho bem que me andes a tentar...

Bruno Taborda disse...

CC : O único livro traduzido para tuga é o Corpsing, com o brilhante título de "Crime em Dois Actos" (Editorial Presença). Mas é basicamente um policial e é capaz de ser o livro mais fraquinho do autor. Se gostares do género recomendo, caso contrário vai pela VO.

Ervi : Quando eu fizer a critica ao livro que estou a ler agora acho que ainda vais ficar mais tentado...