03 setembro, 2007

BD : Persepolis (Marjane Satrapi)


Por vezes, mesmo perante críticas totalmente positivas e absolutamente unânimes, há livros para os quais sinto alguma resistência à compra. Confesso que nunca li o Maus do Art Spiegelman (que é aproximadamente considerada a melhor BD dos tempos modernos), apesar de o ter namorado várias vezes nas livrarias. Penso que a razão principal será o facto de achar o desenho muito simples, repetitivo e pouco apelativo. Este Persepolis ia seguindo o mesmo caminho, mas recentemente, ao cruzar-me com uma edição completa em dois volumes não consegui resistir.

O livro é a auto-biografia da sua autora, desde a sua infância no Irão (de onde é natural) até ao momento em que abandona definitivamente o seu país para se instalar em França (onde ainda hoje reside e onde publicou originalmente esta obra). Pelo caminho assistimos a episódios agridoces que acompanham a história recente do país, desde a Revolução Islâmica até à guerra com o Iraque e que demonstram claramente que a visão actual de grande parte do mundo (que os Iranianos são todos extremistas e terroristas) é completamente desfasada da realidade. O ênfase recaí no entanto na condição de Satrapi de mulher entre as culturas Islâmica e Europeia, e nos problemas que tal lhe acarreta na vivência do mundo que a rodeia.

O que me deixou absolutamente siderado, é a forma como a autora consegue transmitir as suas ideias e emoções, de forma leve mas ao mesmo tempo profunda e muito longe do melodrama que a sua vida poderia dar. Demonstra uma força e uma vontade de viver perante a adversidade que me deixa coberto de vergonha por aquilo que considero problemas no meu dia a dia. Vejo-me portanto obrigado a concordar com o resto do mundo (apesar dos 3 ou 4 anos de atraso) e dizer que tive o prazer de ler uma obra-prima que considero obrigatória para qualquer fã de BD para gente com cérebro...

12 comentários:

1 out of 3 annoying jokers disse...

Não é Persepolis, é Patopolis!

M disse...

Sensível, inteligente, fascinante….

E eu a perder tempo com um homem que compara um gordo ao boneco da Michelin.

Eu vejo a vida melhor no futuro.

Anónimo disse...

Ele não é fascinante, é facínora

Ervilha Escriba disse...

M,

Você é fogo menina! :D

Débora F. disse...

A M. que me perdoe a intromissão na sua vida pessoal mas também gosta de meninas?

beijinho

Debbie

M disse...

Yes, adoro meninas marotas.

Billy Idol disse...

cause when a long-legged lovely walks by
Yeah you can see the look in her eye
Then you know that its

Hot in the city, hot in the city tonight, tonight
Hot in the city, hot in the city tonight, tonight

BI

M disse...

E também adoro o Billy Idol.
Tenho fome!

Ervilha Escriba disse...

LR, andas desaparecido rapaz!!!

Uma gata comeu sua língua?

M disse...

Comeu?

Bruno Taborda disse...

Parece que sim... Ou então trocou de corpo com o Burro :-D

Débora F. disse...

:-)